• Bewell Portugal

12 Desafios Emocionais que pode estar a viver neste momento | Saúde Mental e Emocional

| É normal sentir-me entorpecido ou zangado?;

| Serei má pessoa se me sentir ….. surpreendentemente calma?

| Sinto-me culpado por achar que estou a ser pouco produtivo..

| Com tanta coisa a acontecer, pode levantar-se um dia e perceber que sente…nada


O ser humano foi confrontado com algo que mexeu com a sua vida de uma forma muito profunda. Independentemente da zona, do continente e da forma como cada país reagiu, o que verificamos é que há emoções, pensamentos, medos, sensações que são comuns a todos nós.



Esta partilha visa tranquilizar aqueles que se sentem de alguma forma diferentes dos demais, diferentes dos seus vizinhos, dos seus colegas, das pessoas de outro país ou Continente.

Em tempos de isolamento social, a Bewell Portugal intensificou a sua linha de apoio na área de mental junto dos seus clientes. Com as nossas áreas de Psicologia e Mindfulness temos apoiado inúmeras pessoas com o intuito de amenizar o desconforto de uma alteração tão profunda da nossa forma de estar e de conviver.


Estamos presentes com este tipo de apoio em 4 países e os nossos terapeutas têm percebido algumas evidências que gostaríamos de partilhar. Analisámos também vários artigos e estudos nesta área que têm sido publicados e vemos um grande alinhamento na primeira perceção a esta crise. De forma a poder lidar melhor com os desafios emocionais, é interessante que primeiro consiga identificar quais são:


1- Algumas pessoas sentem-se em Burnout, e porque será?

Se a sua função neste momento não lhe parecer esgotante ( porque está em layoff, com diminuição da atividade laboral ou mesmo sem ela) lembre-se desta definição de BURNOUT: "Burnout é o resultado de gastar mais energia do que você está a absorver", “Ryan Howes, Ph.D.”


Já considerou o nível de energia que está a gastar com todos os processos de adaptação a um “novo normal” ? ou a energia que gasta ao receber todas as notícias diariamente, ou a curva de aprendizagem de novas ferramentas e exigências? Acredite que estes processos podem ser esgotantes… e por outro lado, muitas das atividades que temos para recarregar as nossas energias estão neste momento fora de questão: conviver com amigos, ir a um happy hour, ir ao ginásio, jogar futebol…

Há mais coisas a drenarem a nossa energia do que propriamente a reabastecer-nos e essa é a receita fácil para o Burnout!


2 - Algumas pessoas sentem-se zangadas, e porquê?

Será fácil perceber que o que não faltam são coisas para nos zangarmos: zangamo-nos com os nosso vizinhos porque eles não estão a levar a sério a pandemia e não cumprem o isolamento; zangamo-nos porque os Governos não reagiram a tempo ou reagiram cedo de mais e a economia vai falhar; zangamo-nos porque temos emprego mas não temos equipamentos de proteção para estarmos seguros…


3 - Outras sentem-se ... surpreendentemente calmas.

Com todas as preocupações que vemos diariamente sobre a saúde mental e a ansiedade, pode parecer um pouco estranho, mas na verdade muitas pessoas têm-se sentido demonstrado muito calmas. De acordo com alguns dos nossos terapeutas, esta é até uma reação bastante comum.


Esta sensação pode acontecer porque a pessoa colocou o coronavírus “fora do seu pensamento, da sua mente” ou pura e simplesmente porque algumas pessoas estão mesmo melhor preparadas para lidar com esta situação de uma forma mais calma; porque é a sua forma de ser ou porque estavam já em processos de aprendizagem para ultrapassar melhor a ansiedade ou mesmo porque treinaram estas ferramentas em situações adversas na infância… entre outros possíveis fatores.


4 - Algumas pessoas estão em LOOP sobre o que poderá vir a acontecer

A incerteza da pandemia - e o impacto a longo prazo que ela terá, tanto ao nível pessoal como numa escala maior - é um dos temas mais comuns com os quais os terapeutas se deparam. Isso não deve ser uma surpresa, há tantas coisas que não podemos prever, estamos a vivenciar o que é não ter controlo, e isso é-nos difícil! " Há pessoas preocupadas com o fato de poderem passar fome ; perder o emprego; as suas casas, a sua forma de vida… e a lista podia continuar! O que é importante perceber é que estamos todos a enfrentar estes desafios! Em alguns momentos vai-se sentir com esperança e noutros desesperado. Tenha calma, consuma moderadamente as notícias que lhe chegam e não perca muita energia em tentar controlar o incontrolável.


5 - A “Luta” do trabalho em casa

Se sente que tem mais trabalho neste momento, sente que apesar de estar em casa o seu worklive balance está pior, saiba que não está sozinho. A transição de uma configuração de trabalho típica para trabalhar em casa, causou muito stress, angústia e frustração para imensas pessoas. Há relatos de pessoas que sentem agora mais constrangimento em ir ao WC, ou parar para um lanche pois existe uma expectativa que estejam sempre disponíveis e online.


6 - Bolas, eu quero um abraço!

Se é uma das pessoas que se sente assim, saiba que não é caso único. As pessoas

referem que apesar dos meios tecnológicos ( Zoom, Teams, Hangout…,) a proximidade com as pessoas, o toque, o abraço, são insubstituíveis. Este é um testemunho muito real da importância da comunidade e do poder da interação física e é uma oportunidade maravilhosa para termos essa perceção.


7 - Luto pelos eventos cancelados

Não há como negar que a pandemia interrompeu completamente a vida como a conhecemos. Esta mudança forçou muitas pessoas a perderem as experiências pelas quais esperavam há muito tempo: casamentos, aniversários, festas de final de curso…


8 - Algumas pessoas sentem-se culpadas pela sua relativa segurança ou privilégio

Outro dado interessante é que algumas pessoas apresentam sentimentos de culpa sobre como as suas experiências e preocupações se comparam àquelas que estão mais vulneráveis aos impactos negativos da pandemia. É natural que as coisas pelas quais se sente grato - como estabilidade financeira, companhia de familiares ou parceiros durante o isolamento ou boa saúde que o torna menos em risco de complicações sérias - sejam ocultadas por uma consciência de que nem todos estão em posição semelhante.


Não se “culpe” com o que tem e transforme este desconforto em algo que poderá beneficiar a si e aos outros. A gratidão leva facilmente à generosidade e praticar a generosidade será algo que certamente o fará sentir bem.


9 - Sinto-me culpado por achar que estou a ser pouco produtivo

As pessoas sentem-se, em alguns casos, pouco produtivas. Desde que foram para casa, muitas pessoas revelam que se sentem menos produtivas do que gostariam; ainda por cima sentem uma grande pressão para acrescentar aos seus resultados habituais, um curso online de inglês, de finanças, um webinar, um workshop…entre outros. Vivemos numa era na qual muitos de nós estamos habituados a participar em atividades centradas em prosperar; agora nosso foco deveria ser mudado para sobreviver a este momento. Seja gentil consigo! Não se sinta excessivamente culpado nem o trabalhador menos produtivo do mundo; existem muitas pessoas na sua posição.



10 - Você está "maluco" com seus filhos.

Com as escolas fechadas, é muito difícil gerir a transição da forma tradicional de ensino, ao ensino em casa onde acresce o novo escritório dos pais. Além de todo o stress que esta situação pode trazer a um nível prático, a parte emocional pode também sofrer de alguma maneira. Algumas pessoas pensam, incessantemente: “Estou a fazer o suficiente? Estou a falhar com os meus filhos? Com a minha empresa? Tenha calma porque equilibrar tudo isto é muito desafiante e difícil.


11 - Porque me têm aparecido traumas do passado?

Se você se encontra subitamente consumido por pensamentos e sentimentos sobre algo do passado, acredite que isso está a acontecer a muitas pessoas. Esta é a forma como o nosso cérebro funciona. Na nossa resposta primária de luta ou fuga, o nosso cérebro deve lembrar-nos de todos os perigos para que nos mantenhamos seguros; assim esta pandemia pode ir buscar traumas do passado para o dia de hoje, mesmo que não tenham nenhuma relação. Todos temos algum tipo de traumas, sejam eles a grande escala ou um ligeiro pensamentos de que não fomos bons o suficiente, ou dignos de um amor, ou que éramos pouco válidos... nesta fase, eles podem invadir os nossos pensamentos e se isto lhe está a acontecer, trate-se com compaixão; não seja tão duro consigo próprio.


12 - Sente-se entorpecido

Com tanta coisa a acontecer, pode levantar-se um dia e perceber que sente…nada.

E não faz mal! Mesmo nos momentos mais caóticos, é impossível estar em estado de

alerta emocional 24/7.


Pense no paralelismo com a adrenalina: nós temos picos de adrenalina disponíveis quando o corpo precisa reagir mas depois esse pico baixa para o corpo reiniciar…com as emoções é semelhante, o alerta não é constante e máximo durante todo o percurso. Neste período, no contato com os nossos clientes e nos artigos que temos estudados deixamos aqui algumas reflexões, mas outras tantas poderiam ser debatidas, mais sentimentos, mais realidades. As pessoas estão a sentir muitas coisas individualmente e a lutar coletivamente.


É um grande desafio mas sobretudo nesta altura lembre-se que tudo o que sente é válido, que eventualmente outras pessoas o estão a sentir e se pudermos deixar algum tipo de sugestão será a de se lembrar de abraçar os seus sentimentos, mostrando compaixão pelas suas lutas e sentimentos e empatia com as lutas e sentimentos dos outros.

Fale connosco, há 16 anos que implementamos wellness empresarial e podemos ajudar a sua empresa a melhorar a qualidade de vida e saúde dos seus colaboradores!



Topo

Contactos

Av. Bombeiros - Caramão da Ajuda -Restelo, Lisboa, Portugal

Móv  (+351)  914 64 77 90

virnamartins@bewell.pt

SOCIALIZE Conosco

  • LinkedIn Bewell
  • Facebook Bewell